quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Boas festas e um ano novo cada dia mais sustentável para você

2009 foi um ano de muitas realizações e alegrias para a equipe do BIOSFERA. E tudo isso compartilhamos com você. Graças à sua audiência e interesse pelo nosso conteúdo, conseguimos produzir cada vez mais.

Então, nessa época de festas, desejamos a você muitas realizações e um 2010 cada dia mais sustentável.

Um grande abraço

EQUIPE BIOSFERA!

sábado, 19 de dezembro de 2009

BIOSFERA - Especial COP15

COP 15 fracassa e escancara show de incopetência

por Thiago Toledo


Foi um vexame. Um fracasso. Depois de dois anos de negociações, baseado nas recomendações do IPCC, Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, as mais de 190 nações que estavam em Copenhague, na Dinamarca, não chegaram a um acordo decente sobre os cortes de CO².


O documento que foi redigido às pressas nesta madrugada (e que você pode conferir mais abaixo), não possui grandes avanços. É uma declaração de intenções que não chega a três páginas. Não tem metas. Diz que as nações ricas se comprometem a direcionar US$ 30 bilhões nos próximos três anos para ajudar nações pobres a lidar com as alterações climáticas. Quanto a admissão por parte dos países (de que não se deve elevar a temperatura em 2°C neste século) ainda é um aspecto que gera controvérsias e acaba se tornando frágil.




Outros detalhes ainda serão elaborados até o mês que vem. Principalmente por causa dos Estados Unidos e China. Objetivos de longo prazo, até 2050, não foram mencionados. Até lá algumas ilhas que já sofrem com o aquecimento global devem desaparecer.

É um acordo que não apresenta nada de novo em termos substanciais. É um escândalo de incompetência. Tanto que pela parte do Brasil, quem negociou o tratado foi o Ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, quando quem deveria ter feito isso seria o chefe do Itamaraty, que é treinado para isso.

Escândalo também foi a delegação de 700 pessoas que o Brasil levou na COP 15. A segunda nação mais numerosa foi a China, com cerca de 200 pessoas. Fora a incompetência da organização do evento, que culminou na renúncia de Connie Hedegaard, presidente da COP 15, dando seu lugar ao primeiro-ministro dinamarquês, Lars Lokke Rasmussen e os muitos ataques de violência contra manifestantes por parte da polícia.


Enquanto isso alguns escandalosos dizem o que pensam sobre a cúpula:

“Se o clima fosse um banco já estaria salvo”. Hugo Chavez, presidente da Venezuela

“O aquecimento global mata mais que o terrorismo”. Mahmoud Ahmadinejad, presidente do Irã.

Depois dessa, parei.


E você? O que tem a dizer sobre a Conferência do Clima.


Abaixo o documento final da COP 15.


Acordo de Copenhangue

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

BIOSFERA - Especial COP15

Lula chama atenção com discurso forte na COP15. Obama decepciona.


por Thiago Toledo


Com palavras duras e contundentes, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que o país está disposto a fazer "sacrifícios" e participar com dinheiro na busca de frear o aquecimento global. Aplaudido diversas vezes pelos participantes da Conferência do Clima em Copenhague, mostrou desapontamento com as autoridades, principalmente com a das grandes potências.

Durante a madrugada, Lula e o presidente da França, Nicolas Sarkozy convocaram uma reunião emergencial com as lideranças de vários países, em busca de se apressar um acordo neste último dia de cúpula. Com isso, o fiasco que poderia ser retumbante, pode acabar com um acordo modesto entre as nações.

Lula fez questão de salientar em seu discurso os esforços que o Brasil tem feito, e como países pobres africanos, latinoamericanos e alguns asiáticos sofrem sem o desenvolvimento adequado.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, por sua vez, fez um discurso aquém das expectativas. Não trouxe nada de novo e apenas pediu que se apressasse a elaboração de um documento em prol do clima, como se ele tivesse feito algum esforço para que isso se concretizasse.

Seu discurso limitado decepcionou os demais participantes, contudo, é importante deixar claro que, por mais que as ações climáticas ao redor do mundo por parte dos E.U.A sejam limitadas, dentro do país a imagem é outra. O governo, para os americanos, tem feito um trabalho forte no controle de emissões. Mas não foi o que pareceu na COP15.

A imagem do presidente americano sai arranhada pela falta de comprometimento. Já Lula sai fortalecido e consegue, além de contornar a imagem do Brasil (que foi machucada pelas últimas declarações da ministra da Casa Civil Dilma Roussef), um papel de liderança global ainda mais forte. E todos nós sabemos que além da questão ambiental e econômica desta conferência, o aspecto político foi o determinante e fez os governos do Brasil e da França voltarem para casa de primeira classe.


ABAIXO O VÍDEO COM O DISCURSO DO PRESIDENTE LULA.


video

BIOSFERA Pedalando

Você faz exercício, ajuda a cidade e praticamente "ganha" a bicicleta

por Diego Geraldo

Um passeio ciclístico promete ajudar na qualidade de vida na população de São Paulo. Sucesso em Lisboa, Porto e Madri, a World Bike Tour acontece na capital paulista.

As inscrições custam apenas R$ 180 e os participantes levam a bicicleta para casa no final do passeio, além de mochila, camiseta e capacete, kit avaliado em R$ 800. A conta é paga pelos parceiros e patrocinadores.

Serão 6 mil participantes e o bicicletada acontece no aniversário da cidade, 25 de janeiro. Serão percorridos 9 km desde o ponto de partida (Ponte Estaiada, na Marginal Pinheiros) até à Rua Professor Mello Morais, situada na USP.

Para participar é bom ficar atento. As incrições começam no primeiro minuto de 2010 e geralmente se esgotam muito rapidamente, em poucas horas.

A partir do dia 2 de Janeiro, até ao dia 24, o caminhão Bike Tour proporcionará aulas de spinning bike gratuitas a todos os interessados. Anote também o dia 10 de Janeiro, dia em que se realizará um Passeio de Bicicleta, entre São Paulo e Santos. Ao todo serão percorridos cerca de 80 km.

Para os pequenos, um passeio de bicicleta para crianças dos 2 aos 11 anos. Cerca de 200 crianças carentes terão a possibilidade de viver uma experiência inesquecível. Dia 23 de Janeiro os jovens ciclistas vão, também eles, pedalar por uma vida cada vez mais saudável. As bicicletas serão, no final do passeio, oferecidas a cada uma destas crianças.

Para fazer sua inscrição, entre no site:

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

BIOSFERA - Especial COP15

Polícia e manifestantes se enfrentam na COP15

por Thiago Toledo

Mais um conflito na Conferência do Clima. Um tumulto entre manifestantes e policiais dinamarqueses, chamou a atenção hoje perto do Bella Center, onde acontece a COP15. Eles protestavam contra a restrição de entrada no local e contra a falta de acordo entre os países. A polícia, mais uma vez, respondeu com violência. No fim do vídeo, os manifestantes gritam “Shame on you” (que vergonha) para a polícia.


BIOSFERA - Especial COP15

História do engajamento - Severn Suzuki


por Luis Corvini Filho


Muito se discute entre os líderes globais sobre o futuro de nosso planeta. Bem, conheça o discurso de Severn Suzuki, uma garota canadense que, há 18 anos atrás (quando ela tinha apenas 13 anos), emocionou o planeta durante seu discurso na ECO 92, realizada no Rio de Janeiro, no Brasil.


O tema: O que será da geração que herdará o planeta?




E aqui, Severn Suzuki, 17 anos depois, mostrando o quanto seu engajamento, agora como Embaixadora global de uma ONG. (em inglês)


terça-feira, 15 de dezembro de 2009

BIOSFERA - Especial COP15

Relatos "inside" Copenhague



Vista do Bella Center, em Copenhague


por Luis Corvini Filho


Desanimador. Essa foi a opinião que Renata Hortência Sales, a única bolsista brasileira patrocinada pela COP15 (que concedeu entrevista para o  BIOSFERA aqui),  resumiu os acontecimentos da Reunião do Clima em Copenhague. Ela teve a oportunidade de acompanhar algumas movimentações dentro do Bella Center, observando até mesmo a delegação brasileira.

Segundo Renata, a decepção se dá pelo fato do grande apelo comercial de Copenhague, já que ONGs, representantes de países e grupos diversos tentam cada um mostrar mais a cara que os outros, com protestos espalhafatosos e erráticos.

Renata também notou uma discrepância entre fala e ação: "A quantidade de papel distribuído por lá é absurdo! E ao mesmo tempo, fala-se de desmatamento na Amazônia e em outras florestas tropicais".

Por fim, Renata critica a delegação brasileira. Segundo ela, tudo que foi apresentado, tirando uma coisa ou outra, estava somente em português. Ela até se referiu a uma coletiva de imprensa, onde perguntas e respostas estavam sendo feitas apenas em português. Uma jornalista estrangeira até se pronuncia, alegando que não estava compreendendo nada. E, como se ela nem tivesse se manifestado, as respostas continuaram em nossa língua materna.

Enfim, resta torcer para que o "show" se transforme, em algum momento, em uma realidade palpável, esboçando ao menos uma esperança, esperada por todos no planeta.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

BIOSFERA - Especial COP15

Chavez e Evo a caminho de Copenhague

foto: agência EFE

por Thiago Toledo

Em Havana, para reunião bilateral com o general Raúl Castro, presidente de Cuba, Hugo Chavez, presidente da Venezuela, anunciou neste domingo que irá à cúpula sobre mudança climática realizada em Copenhague, junto com seu colega boliviano, Evo Morales, para falar em nome da Aliança Bolivariana para as Américas (Alba).

Chávez disse que "já se aprovou" na reunião um documento para que os países do bloco regional falem "de uma só voz" na Dinamarca.

Já Raúl Castro foi taxativo e disse que já "se sabe que já não haverá acordo" na Conferência no Clima e tudo terminará com um simples pronunciamento político.

Como você pode ver nas imagens abaixo, o clima lá parece que já está bem quente. E não serão Evo Morales e principalmente Hugo Chavez, que farão os ânimos se apaziguarem, tampouco influenciarão ou darão opiniões relevantes. Corre-se o risco apenas de ser mais um incêndio que tentará ser apagado com gasolina.

fotos: Associated Press




fotos: agência Reuters










sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

BIOSFERA - Especial COP15

Vida de Jornalista - Por trás das câmeras


por Luis Corvini Filho


Eeeee....pronto, o vídeo chegou direitinho até você.
Mas espere, como foi que isso aconteceu? Nesse interessante vídeo dos bastidores da COP15 (em inglês) você descobre a estrutura para propagar tudo que ocorre no evento mais importante do ano.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

BIOSFERA: Aniversário

Há exato 1 ano, o BIOSFERA foi apresentado para o público. Inicialmente na Universidade, e depois para tomar o rumo que estamos hoje, trazendo dia após dia informações sobre ações e atitudes sustentáveis para o dia a dia de todos!



cartaz anunciando o dia de apresentação do BIOSFERA para o público - dez/2008

E em um momento tão importante para o planeta, em plena Conferência do Clima, deixamos nosso muito obrigado por prestigiar nosso programa e site!

É você que faz nossos esforços valerem a pena!


Um grande abraço!

Equipe BIOSFERA

BIOSFERA - Especial COP15

As imagens do mundo

Um manifesto transformador


Por Fabiano Fachini

Copenhague, além de líderes mundiais, reúne pessoas criativas e grandes manifestantes. Quem sabe, à luz dessas pessoas comuns (pois pelos pensamentos e atitudes, as que lá se encontram não são comuns. Aposto), resultados positivos e transformadores podem surgir das decisões políticas dos líderes.
Confira e mande sua sugestão de imagens (biosfera.ds@gmail.com)
Em breve publicaremos algumas que representam os protestos ocorridos em Copenhague.



Menino toca em escultura de gelo, em Copenhague, que revela o esqueleto de um urso polar sob o gelo derretido.

Esculturas alertam contra a mudança climática em frente ao Bella Center, local onde ocorre a Conferência do Clima.
Globo projeta imagens sobre o clima em praça central de Copenhague.


Pedestres passam em frente a Terra gigante instalada em praça de Copanhague nas vésperas da Conferência do Clima.
Vídeo projetado em ume cubo, exposto em Copenhague, mostra níveis de CO² emitidos no mundo.


Instalação feita no lado de fora do local onde é realizada a reunião do clima, em Copenhague, simboliza os cerca de 200 milhões de futuros refugiados do aquecimento global, previsão feita pela ONU.
"Cubo de CO2" mostra consequência do aquecimento global em frente ao planetário em Copenhague.

As imagens foram retiradas daqui

BIOSFERA - Especial COP15

Texto dinamarquês causa polêmica e desagrada emergentes


por Thiago Toledo

Desde terça-feira um projeto de texto, cuja autoria, segundo o jornal The Guardian, teria sido formulado por Estados Unidos, Dinamarca e Reino Unido, tem gerado conflitos na Conferência do Clima.

Mas, por mais que se fale, seu conteúdo pouco foi mostrado e discutido na imprensa. Além disso, o acesso ao texto, de 13 páginas, é escasso.

Por isso, o Biosfera não poderia ficar de fora dessa polêmica, e traz para você o texto (em inglês) na íntegra.


Carta em inglês da COP 15

Um dos fatores que causaram tamanho alvoroço em Copenhague - e que reforça ainda mais a falta de sensibilidade dos países emergentes - é a parte que estabelece, por exemplo, que o dinheiro prometido pelos países ricos para ajudar o resto do mundo a se adaptar à mudança do clima iria só para os realmente pobres, não para os emergentes.

Quer dizer: Mesmo a mudança climática sendo responsabilidade essencial das grandes potências, para eles quem deve pagar a conta são os emergentes. Isso foi fatal para os países em desenvolvimento.

Outro aspecto do texto diz que os três ricos propõem fornecer apenas US$ 10 bilhões por ano – o Banco Mundial calcula que seriam necessários US$ 100 bi – e só até 2012. A partir daí os valores seriam reavaliados.

As opiniões sobre o texto que pode congelar a COP-15 no gelo dinamarquês são claras:

“É uma grave violação que ameaça todo o processo de negociação de Copenhague". Lumumba Stanislas Dia Ping, chefe da delegação sudanesa que preside atualmente o G77.

"O texto proposto pelo primeiro-ministro dinamarquês é fraco e mostra a posição elitista e sem transparência da presidência dinamarquesa". Kim Carstensen, da organização WWF.

Oficialmente o país anfitrião disse que não existe um texto. “Estamos há semanas e meses consultando os diversos países, é o nosso trabalho", afirmou a ministra dinamarquesa do Clima, Connie Hedegaard, em entrevista coletiva.

De todo modo, a polêmica não deve parar por aí. Brasil, África do Sul, Índia e China apresentaram uma proposta contrapondo ao que texto que foi circulado nessa semana. Aguardemos o desenrolar dos fatos e esperamos que o bom senso surja no coração gelado dos governantes, mesmo com 3°C de temperatura.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

BIOSFERA: Especial COP15

Acompanhe a Conferência do Clima pela internet


por Luis Corvini Filho


Aqui estão bons caminhos para que todos possam acompanhar a COP15 pela web.



COP15 WEBCAST
na página oficial da conferência, existe um local onde são transmitidos, ao vivo e em arquivos de vídeo, todas as reuniões e palestras realizadas.

Os vídeos encontram-se em sua linguagem original (de quem discursa, obviamente) e também em inglês;
OBS: para visualização, é necessário a instalação de um otimizador de vídeo, chamado silverlight.




YouTube / CNN
Um grande debate ocorrerá no próximo dia 15 de dezembro, terça-feira, diretamente pelo canal do YouTube. Todos poderão participar.

Além disso, vídeos sobre os bastidores da Conferência, mensagens de suporte de entidades não-governamentais, visando a assinatura de um acordo de controle de emissões.

E dentre eles, o vencedor do concurso Global Warming Project, dos brasileiros Breno Coelho, Bruno Oliveira e Gilbran Chequer.




Fotos: Reprodução Websites
Contribuição de Karine Massacani

BIOSFERA: Especial COP15 - Charges

O que será do mundo sem um acordo para o clima em Copenhague?

Ainda não temos essa resposta, mas existem ótimas charges que permitem uma previsão do futuro “negro” que nos espera caso nada aconteça.

Cúpula do Clima 2040 - Monte Everest

"Boas novas! Nós finalmente entramos em acordo para controlar os gases do efeito estufa!"

EUA mandando sua mensagem

E enquanto isso, no Brasil...

Recebi do Mauricio de Sousa um desenho ilustrando a situação calamitosa de ontem em São Paulo. Mauricio não conseguiu chegar em seu estúdio para trabalhar devido ao problema, e decidiu iniciar uma campanha pelo twitter para a diminuição do lixo na cidade.


E você pode contribuir. Mande suas charges nós!


Créditos: The Economist / Folha e Jean / Mauricio de Sousa


sábado, 5 de dezembro de 2009

BIOSFERA: Especial COP15

Conheça Renata Hortência Sales, a única brasileira patrocinada pelo COP15

Renata em palestra no seu mestrado na Universidade Técnica da Dinamarca

A poucos dias da Conferência do Clima da ONU, que se inicia no próximo dia 7 em Copenhague, na Dinamarca, o BIOSFERA traz para você uma entrevista exclusiva com a única brasileira, selecionada dentre 800 candidatos, a obter uma bolsa de mestrado custeada totalmente pela COP15.

por Luis Corvini Filho
No lugar de brindes, bolsas de estudo. Foi assim que os organizadores da Conferência sobre as Mudanças Climáticas, a COP15, decidiram contribuir para o futuro do planeta. Como em todo grande evento, presentinhos para participantes são algo comum. Não desta vez. O evento, que reunirá mais de 14 mil pessoas na cidade, terá o custo dos brindes totalmente revertido para onze estudantes de diversas partes do mundo cursarem mestrado na Dinamarca.

E entre os contemplados, temos uma representante tupiniquim: a cearense Renata Hortência Sales.


A jovem de 26 anos é natural de Fortaleza, no Ceará e se formou em engenharia civil em 2008. Desde seu período acadêmico, publicou alguns artigos relativos ao desenvolvimento sustentável. Um deles aborda a creditação de carbono em aterros sanitários e os outros, mais técnicos, sobre reaproveitamento de resíduos em pedreiras e temperatura das fundações de concreto de aerogeradores.

No último ano de faculdade, Renata trabalhou para uma multinacional no planejamento de quatro parques eólicos na costa nordestina: Pararucu, Praia Formosa, Foz do Rio Choro e Icaraizinho. Ela até brinca da dura rotina que tinha: “morei dois meses na praia de Camocim, pertinho de Jericoacoara. Meu escritório era na praia”.

Renata e seus objetos de estudo, as turbinas eólicas, na Dinamarca

A partir daí, Renata começou a conhecer o mundo. Ganhou uma bolsa de estudos pelo DAAD alemão, e passou um mês no país germânico estudando energias renováveis. Depois, decidiu aprimorar o inglês e partiu para os Estados Unidos, na busca de algum mestrado na área.

A jovem mal teve tempo de escolher, pois foi novamente chamada para trabalhar em outra grande empresa italiana do ramo energético. Segundo Renata, a multinacional está desenvolvendo 1000MW em energia eólica no Brasil, equivalente à implementação de mais de 500 turbinas. “Comecei a trabalhar nos projetos tanto de repotenciação de hidrelétricas como em projetos eólicos”.

Foi quando, apenas uma semana após o início na nova empresa, Renata foi surpreendida novamente: “Recebi uma carta da DTU (Universidade Técnica da Dinamarca) falando que tinha ganhado uma bolsa da COP15. Até então, eu não sabia que existia essa bolsa”. Renata disse que fez inscrição somente em duas universidades no período que ficou nos EUA, e a DTU foi uma delas.

A Dinamarca é um dos países que mais investe para limpar sua matriz energética


A Universidade fez todo o serviço por ela. Como Renata foi considerada uma das cinco melhores entre os inscritos, a instituição enviou seus dados para uma disputa com mais de 800 estudantes de todo o mundo a “bolsa da COP15”. Ela então se tornou uma das onze pessoas totalmente financiada pela Conferência das Mudanças Climáticas da ONU. A única em todo o Brasil.

O valor gasto em brindes para as cerca de 14 mil pessoas, entre ONGs, palestrantes, ouvintes, Chefes de Estado e imprensa participantes da Conferência seria de quase 540 mil Euros. Esse imenso montante de dinheiro será revertido para o conhecimento de Renata e dos outros escolhidos, vindos da Índia, EUA, Latvia, China, Nigéria, Paquistão, Bangladesh, Camarões, Gana e Colômbia.


E bem que os chefes italianos de Renata tentaram manter a profissional no quadro de funcionários, mas não havia jeito. Apenas três meses depois de seu início na empresa, ela arrumou suas malas e embarcou para a Dinamarca.

Renata (ao centro) com os colegas de Gana, Camarões, Latvia, Índia e Nigéria

A jovem chegou no país nórdico para seu mestrado em Energia Eólica no final de agosto (na Europa e em todo o hemisfério norte, o início do ano letivo se dá em setembro). A Universidade em que estuda é muito bem conceituada em todo o mundo. Considerada a 3a melhor Universidade de Engenharia da Europa e a 20a do mundo, pelo ranking da Times Higher Education.

Ela já conheceu os outros também agraciados pela Bolsa internacional. Um deles, o colega latino-americano vindo da Colômbia, é colega de classe dela. “Ele é muito inteligente”, diz.

Toda essa especialização visa preparar esses profissionais para um futuro complicado. A própria reunião da COP15 já é um alerta para isso. Dada como um fiasco e renascida novamente, depois de declarações controversas de EUA e China. No primeiro momento, as potências negaram um acordo para o clima. Dias depois, voltaram atrás, anunciando 17% e 40% respectivamente, no corte das emissões de cada país.

Transporte de hélice de turbina eólica


Nesse ponto, Renata pensa positivamente: “Falei isso em meu blog. Não acho que exista motivo nenhum em ser pessimista em uma reunião que discute acordos e ideias para amenizar mudanças climáticas e emissões de gases do efeito estufa. A sociedade está cada vez mais consciente e tem como pressionar os políticos a firmarem acordos entre si”. A jovem estará presente na Conferência do Clima.

Mas, uma vez citando as políticas ambientais do Brasil, a estudante é mais crítica: “me preocupa muito o descaso do governo com o desmatamento na Amazônia e a seca no pantanal. Acho que o Brasil deve ser mais agressivo no que diz respeito a suas reservas naturais”. Ela cita que o país é exemplo para o mundo no uso do etanol e de energias renováveis. Na Dinamarca, “as pessoas ficam impressionadas quando descobrem que nossos postos de gasolina tem etanol e que muitos carros são flex”. Ela deixa a crítica: “O Brasil deve tratar o desmatamento com a mesma atenção que trata o etanol”.

Renata planeja terminar os estudos e voltar para o Brasil, para consolidar na prática todos os conhecimentos adquiridos no país que, durante duas semanas, será o centro de decisões para o futuro do planeta. Podemos fazer uma triste brincadeira aqui, ao dizer que mesmo que a Conferência naufrague, teremos onze “sobreviventes”, muito bem preparados para vingar o clima mundial.


crédito fotos: reprodução / cop15

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

BIOSFERA: Gisele Bündchen

Gisele Bündchen grava vídeo para campanha contra aquecimento global


por Thiago Toledo

Muitas celebridades mundiais tem se mostrado cada vez mais ativas nas questões ambientais, como a campanha TckTckTck, que mostramos recentemente. Já um grupo de brasileiros criou a campanha Tic Tac Tic Tac. A sua principal estrela é nada mais nada menos do que a top das tops models: a brasileira Gisele Bündchen, que está sempre engajada em causas ecológicas.


No vídeo, ela pede para os internautas apoiarem a campanha por meio de assinaturas ao manifesto.


Lançada no primeiro semestre de 2009, a campanha é conduzida por um grupo de entidades sociais e ambientais, como Avaaz, Greenpeace, Idec, Inesc, Oxfam, Vitae Civilis e WWF-BR. Tem o apoio de um conselho formado por personalidades e organizações brasileiras, como os institutos Ethos e Akatu, o Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (FBOMS), o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), e a Comissão das Pastorais Sociais da CNBB.


Para fazer parte da campanha, que já conseguiu 10 milhões de assinaturas ao redor mundo e 170 mil no Brasil, entre no site www.tictactictac.org.br.

Abaixo, o pedido da Gisele.


quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

BIOSFERA - Estreia na webTV Indaia

Biosfera estreia na TV Indaia
Parceria leva o Biosfera para a primeira WebTV de Indaiatuba

Da Redação

No dia 05 de dezembro o programa de TV Biosfera – ações e atitudes sustentáveis para o seu dia a dia estréia na TV Indaia, a primeira WebTV de Indaiatuba. A atualização de conteúdo será aos sábados, às 9h30.
O Biosfera é um programa de TV que aborda reportagens sobre Desenvolvimento Sustentável, tratando de temas relacionados a economia, cultura e meio ambiente. A equipe de reportagem é formada por cinco jornalistas: Diego de Souza Geraldo, Fabiano Fachini, Fernanda Bugallo, Luis Corvini e Thiago Toledo Araújo.
A equipe do programa acredita que “será uma grande oportunidade de levar o bom conteúdo jornalístico do mundo da sustentabilidade ao público de Indaiatuba, por meio de um projeto inovador na cidade, que é a WebTV Indaia. Além disso, a internet hoje, é um dos melhores meios de comunicação e divulgação de conteúdo”. A equipe destaca que “é por meio da internet que atingimos um grande público, seja na RMC ou em todo o Brasil e mundo. Em nosso blog, recebemos até mesmo visitas internacionais, quem sabe, de brasileiros que se identificam com nosso conteúdo”.
O Biosfera, atualmente, é exibido também no Canal 8 da Net Campinas, com renovação de conteúdo a cada 15 dias. O programa inédito vai ao ar às quartas-feiras, às 21h30. As reprises são aos sábados, às 22h e aos Domingos, às 11h.

***
O Biosfera é resultado do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), de 2008, dos ex-alunos da PUC Campinas Diego de Souza Geraldo, Fabiano Fachini, Fernanda Bugallo, Luis Corvini e Thiago Toledo de Araújo. No final de 2008, o projeto Biosfera ficou com o 1º lugar do Prêmio Bosch de Jornalismo, que premia os melhores trabalhos de conclusão dos cursos de Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Relações Públicas.
Para conhecer os bastidores do programa e as novidades no mundo da sustentabilidade, fique ligado em nosso blog.

O site da WebTV Indaia é http://www.tvindaia.com.br/

Contato:
biosfera.ds@gmail.com

ou equipe:
Diego de Souza Geraldo – diegogeraldo.ds@gmail.com
Fabiano Fachini – fachini.ds@gmail.com
Fernanda Bugallo – fernandabugallods@gmail.com
Luis Corvini – corvini.ds@gmail.com
Thiago Toledo de Araújo – thiagotoledo.ds@gmail.com

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

BIOSFERA -Moda Sustentável

Moda, arte e meio ambiente sob o olhar de Sandra Machado


Texto: Márcia Costa
Fotos Isabela Carrari
Modelo Anoã Vanelli

Arte, meio ambiente e moda criam belas conexões nas mãos de Sandra Machado. A natureza marca presença nas criações da estilista e artista plástica nascida em Goiás – seja como tema de seus figurinos, seja como fonte de preservação, a exemplo do mais recente projeto de reutilização de materiais que empreendeu em parceria com a Cooperilha, uma cooperativa de reciclagem de lixo urbano situada na comunidade de Santa Cruz dos Navegantes, em Guarujá (SP).

Depois de viver muitos anos em Belém (PA), em janeiro de 2008 Sandra trocou a Amazônia pela Mata Atlântica. Recentemente ela consolidou na Baixada Santista um trabalho que resultou em uma moda elegante e criativa, produzida a partir de resíduos orgânicos e urbanos, onde materiais aparentemente sem utilização alguma foram invariavelmente convertidos em belíssimos figurinos e acessórios.

Recém-chegada a Santos, em janeiro de 2008, primeiramente Sandra rendeu seu olhar para marcos da história, das artes plásticas, da arquitetura, da literatura e de ícones da natureza santista, rapidamente transpostos para vestidos e kaftas na exposição "Cantos da Costa - Poesia em Traje", realizada em novembro de 2008 na Pinacoteca Benedicto Calixto (http://estilosandramachado.blogspot.com/). A coleção é composta pela técnica de estamparia o batik javanês (uso de cera derretida para desenhar) e emprego de artesanatos têxteis, como bordado, aplicação de pedrarias, crochê e tricô. Em seguida, a estilista foi convidada pela Ong Uno e Verso a prestar uma consultoria de design para a Cooperilha, onde emprestou seu trabalho de design à conservação ambiental.

“Criar a partir de materiais recicláveis faz parte de minha história. Nos anos que passei na Amazônia, embora tenha trabalhado também com resíduos urbanos, como fita cassete e fios de cobre, trabalhava mais com resíduos orgânicos, como sementes, fibras de palmeiras, conchas, fragmentos de madeira e de minerais”.

Apesar de ter assumido desde o ano 2000 a criação de moda, arte e figurinos como principal ocupação, a etnóloga e educadora ambiental estão bastante vivas em Sandra. Ela explica que o projeto socioambiental possibilita gerar renda enquanto ajuda a evitar que resíduos, como garrafas PET e banners de vinila, vão parar nos mangues e Mata Atlântica.

O resultado da consultoria foi o design de 18 peças de banner, exclusivas para a Cooperilha, incluindo bolsas, capas de notebook, necessaire e capas de chuvas, além de quatro modelos de colares de flores de garrafa PET.

Encantada com o feliz casamento entre moda-arte, a fotógrafa Isabela Carrari (www.isabelacarrari.com.br), que já havia registrado o trabalho de Sandra na coleção “Cantos da Costa, Poesia em Traje”, emprestou novamente seu talento ao registro dos figurinos e acessórios desta moda ecológica, realizado no Bar Tolentino, em Santos.

Nesta entrevista ao Artefato Cultural, Sandra Machado dá detalhes do projeto desenvolvido na Cooperilha:

Fale um pouco sobre o projeto com a Cooperilha de reutilização de materiais para produção de roupas e acessórios. Como é esse trabalho?
A Cooperilha é formada por 11 mulheres, das quais três são costureiras. As costureiras foram meu público alvo mais direto a quem, a convite de Lia Cassetari, coordenadora da ONG UnoeVerso, prestei consultoria de estilo e design por seis meses. Nesse período desenvolvemos uma coleção, especialmente de bolsas, feitas de lona de banners doados à cooperativa para reciclagem. Além das peças de banner, criei uma minicoleção de bijuterias montadas a partir das flores de PET produzidas na cooperativa, inicialmente destinadas à confecção de arranjos decorativos. Batizei esta coleção de PouBelle, um trocadilho com a palavra francesa poubelle, lixeira, e belle, de beleza.

Conte sobre o cotidiano de trabalho com as mulheres da comunidade.
Durante esses seis meses de consultoria segui uma agenda de trabalho em campo num contato cotidiano, quando procurei repassar algumas técnicas e uma visão mais abrangente do mercado de moda e design.

Qual conceito você imprime às criações?
Sendo uma coleção sob encomenda, procurei atender à demanda da cooperativa, no caso, o cliente. Priorizei peças com grande apelo comercial e ótimos preços. A coleção foi criada exclusivamente para a Cooperilha, que detém totais direitos de reprodução e comercialização das peças. A parte conceitual, que no meu caso não poderia faltar, trabalhei com a criação de corsets de papel, utilizando as técnicas de empapelamento, papier marché, decoupage e pintura. O mais importante nesse trabalho é a questão da responsabilidade ambiental e social, presentes no trabalho que a UnoeVerso vem desenvolvendo junto à Cooperilha.

Que tipo de peças foram desenvolvidas?
Foquei nas peças utilitárias, como as ecobags e bandoleiras de campo, mas com algumas bolsas de apelo fashion também, claro!

Como está sendo a recepção do mercado?
A aceitação tem sido a melhor possível, mesmo com as vendas sendo feitas de maneira informal. A UnoeVerso tem como objetivo numa próxima fase do trabalho desenvolver estratégias de venda e acelerar a produtividade.

SERVIÇO:
Quem se interessar em doar banners e garrafas, comprar peças ou fazer encomendas, basta ligar para (13) 3354-1210 ou acessar http://cooperilha.blogspot.com/.

Colaboração do site
www.artefatocultural.com.br






segunda-feira, 30 de novembro de 2009

BIOSFERA - Amazônia

Minc defende fim das queimadas na Amazônia

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, defende no prefácio do livro Amazônia sem Fogo, programa de formação técnica sobre as alternativas ao uso do fogo no processo de desenvolvimento sustentável da região amazônica, o uso do pastoreio racional Voisin e do manejo de pastagem ecológica, técnicas que buscam preservar o solo, com a adoção de sombreamentos e rodízio pastagem-lavoura, entre outros mecanismos.

De acordo com Jurandir Melado, engenheiro agrônomo e consultor em manejo sustentável de pastagem do programa Amazônia sem fogo, afirma que a adoção do pastoreio Voisin dispensa o uso de queimadas e busca proteger o solo dos efeitos do calor excessivo.

As queimadas seguem sendo um dos males da agropecuária brasileira, responsável por parcela importante das emissões de dióxido de carbono (CO2), além de representarem permanente ameaça às áreas de preservação permanente.

Somente neste fim de semana, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), por meio do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (Cptec) detectou presença de fogo no interior ou no entorno de 79 áreas de conservação.

O País já registra este ano 62.819 queimadas. Pará (14.623), Maranhão (8.630) e Mato Grosso (8.166) lideram a prática atrasada do uso do fogo na agricultura e na abertura de pastagens. Os números totais são 46% inferiores aos do ano passado, mas, de acordo com especialistas, ainda bastante elevados, principalmente porque a prática destrói todos os anos áreas de preservação permanente.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

BIOSFERA - Combate a aviação

Campanha faz chuva de urso polar, para combater expansão da aviação

por Thiago Toledo

“Um médio voo europeu produz mais de 400 kg de gases de efeito estufa por passageiro, que é o peso de um urso polar adulto”. As palavras são da nova campanha contra o aquecimento global, na qual mostra mais do que a triste realidade destes animais, que sofrem por causa do derretimento das geleiras. Mostra principalmente, o perigo causado pelo transporte aéreo quando o assunto é clima.

O vídeo produzido pela rede que combate a expansão da aviação, a PlaneStupid, faz um alerta sobre as emissões provocadas por este tipo de transporte, que só tem crescido nos últimos anos.

Segundo os organizadores da PlaneStupid, e o que podemos observar abaixo, é que o aquecimento global não afetará somente os ursos polares, mas sim a todos nós, no momento em que o nível do mar chegar em nossas cidades.

O vídeo abaixo foi escrito pela agencia Mother e produzido pela companhia Rattling Stick. A direção é de Daniel Kleinman.

Vale a pena conferir.






É importante deixar claro que ainda não há transportes alternativos que substituem o uso dos aviões para determinados tipos de serviços. Além de ser considerado um dos mais seguros do mundo. Evidentemente que a poluição provocada pelos aviões é preocupante, no entanto, não existem combustíveis limpos para o seu uso e a realidade mostra que tampouco eles vão deixar de ser usados. Acredito que não devemos deixar de usar este transporte, mas sim, que a sociedade entenda suas consequências e use menos se assim puder.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

BIOSFERA Copenhague

No COP-15, líderes deveriam padronizar propostas

por Diego Geraldo

A decisão de estabalecer uma meta de redução de gases-estufa de 40% feita pelo governo chinês lançou uma boa expectativa para a Conferência de Copenhague. Apesar do avanço, a meta deve ser vista com desconfiança. O calculo da China é diferente dos demais países. Aliás, cada país estabeleceu um modelo de metas diferentes um do outro. Agora, é a hora de patronizar tudo.

Existem países que anunciaram metas tendo como base as emissões de 1990, como o Japão e a União Europeia. Já os EUA anunciaram, nesta semana, uma meta que já vinha sendo discutida no Congresso norte-americano, que é dimunuir as emissões em 17% tendo como referência 2005. O Brasil calculou quanto o país poluiria em 2020, e tendo como base esta referência, calculou uma dimuição de pelo menos 36,1% (o que na prática é uma meta até mais tímida que a norte-americana).

E agora chega a China, com um corte de 40%, mas não sobre as emissões gerais, e sim sobre a emissão que cada dólar do PIB gasta. Complicado? Por isso as coisas devem ser padronizadas.

De maneira vaga, a proposta chinesa se resume a melhorar o aproveitamento da energia. Por exemplo, se cada dólar do PIB chinês emite 1 kilo de poluentes, em 2020 o dólar do PIB deverá emitir 0,6 kilo de gases-estufas. Ou seja, a China não irá poluir menos que hoje em 2020, mas poluiria muito mais sem as metas.

A postura chinesa isola Índia e Rússia, últimos grandes poluidores que se negavam a levar metas para a COP-15. Com EUA e China na mesa, será impossível ignorar o encontro.

Agora falta o último grande obstáculo: de onde saíra o dinheiro? Quem vai arcar do os custos de implementação de novas tecnologias e taxação de carbono? Sem a resposta, nenhuma meta será cumprida.

BIOSFERA - Ecotaxi

Use o Ecotaxi

por Thiago Toledo





Novidade nas ruas do Rio de Janeiro. De quinta-feira a domingo, se você for circular pelas orlas de Leblon, Ipanema e Copacabana, não precisa se preocupar com transporte. Entre novembro e dezembro, a cidade conta com alguns ecotáxis que dão carona gratuita para turistas e residentes que passam pela região.

Os veículos, propulsionados por uma bicicleta, são uma alternativa de transporte ecológico e também estão presentes em cidades como Nova York, Berlim e Barcelona. No Brasil, chegaram por iniciativa da Nestlé.